Estampas

Estampa Sustentável: Técnicas e Processos

Estampa Doncella

A estampa é uma ferramenta visual bastante expressiva na moda. Você consegue imaginar como seria se todos os tecidos fossem lisos, variando apenas a cartela de cor?

As estampas mudam bastante a cada estação, mas nunca saem de cena e sempre aparecem na maioria das coleções.

Para saber como surgiu o processo de estamparia e como fazemos as estampas Doncella, basta continuar a leitura do post de hoje!

Evolução da Estamparia

Estampar é a arte de transferir um desenho para um superfície, podendo ser um tecido ou qualquer outro tipo de material ou superfície. Pode parecer simples, mas existem diversas técnicas para se fazer isto.

Em geral, existem três diferentes tipos de estampas: as localizadas, as rotativas (ou corridas) e as digitais. As estampas localizadas se referem a estampas fixas em determinados locais da peça. Elas podem ser produzidas a partir de várias técnicas, como silkscreen ou serigrafia, através de transfers, como é o caso da estampa por sublimação. 

Surgimento da Estampa

Na Antiguidade tínhamos a pintura sobre a pele e couro com corantes naturais – como o barro, sangue – dando início a essa arte. As paredes também se tornam uma superfície para estampar as cenas.

Já na Idade Média, os blocos de madeira transformam-se em carimbo, recebendo a tinta e sendo usados para estampar o desenho sobre o tecido, principalmente o linho. Nesse período também começou a prática de estêncil por meio do recorte de um molde vazado a partir de diferentes materiais e a sobreposição de várias lâminas.

Em meados do século XVI, temos a técnica Batik. Vinda do sudeste da Ásia. Essa técnica derretia cera, onde era aplicada no tecido com pincel. Uma característica desta técnica são as ranhuras, formadas pela quebra da cera durante o processo.

Já no século XVII a estamparia em cilindro foi um marco para a técnica. A partir disso, o cilindro torna-se um instrumento importantíssimo, dando origem a uma grande revolução na área têxtil por sua eficiência e possibilidade de estampar em maior quantidade.

A Estampa Nos Dias Atuais

Chegando no século XX, surgem as técnicas de serigrafia, impressão em telas (silkscreen), onde utilizam um tecido de trama bem fina, super esticado em um bastidor, dando origem a tela.

Dessa forma, algumas partes dos desenhos são vedados com gomas/resinas e a tinta vaza pela pressão de um rodo ou espátula, onde o desenho não está vedado. Para uma mesma estampa, cada cor possui uma tela.

Por volta dos anos 60, temos uma técnica que combina o processo de cilindro com o de quadros. Nesse procedimento, os cilindros possuem relevos com a arte para abrir espaço por onde a tinta deve sair. Eles giram automaticamente, em um processo industrial. Igual às telas, cada cilindro tem uma cor e um padrão, e a estampa se forma pela composição de vários cilindros rotativos.

Em 1980, surge na França a termo impressão. Uma novidade desta técnica é a coloração com corantes realizada em alta temperatura.

No final do século XX, surge a estamparia digital ou jato de tinta. Essa técnica funciona como uma impressora que reproduz exatamente o arte da estampa com alta resolução, detalhes e fidelidade de cores. De todas as técnicas, é a mais ágil e sustentável e que tem um maior aproveitamento dos materiais.

Em todos esses anos, não foram apenas as técnicas que evoluíram. Os materiais e tecidos também foram sendo aprimorados. Por exemplo, tecidos com composição sintética ampliaram as possibilidades de cor e estampas. Com o avanço da tecnologia houve um aumento na qualidade dos detalhes, na definição das imagens e inclusive nos materiais.

Cada técnica funciona para um tipo de aplicação e superfície, fazendo da estamparia uma arte tão interessante.

Estampas Doncella

Anteriormente já citamos que o processo de estamparia tradicional através de telas ou cilindros exige uma grande quantidade de água e produtos químicos, que muitas vezes acabam sendo despejados no meio ambiente, nem sempre de maneira correta.

Outro fator de desperdício são os potes com tinta que sobram da estamparia e acabavam secando depois de um tempo parados e assim são jogados no lixo. O processo de estamparia manual é muito bonito, mas tem esses problemas de sustentabilidade.

Primordialmente, pensando no meio ambiente, na alta qualidade de imagem e definição, na grande variedade de cores e vivacidade e também na possibilidade de lotes menores, o que torna o produto mais exclusivo, a Doncella foi buscar a melhor solução para estampar e oferecer aos seus clientes um produto de maior qualidade.

Tecido Sustentável

Doncella Estampas

A Doncella está em constante pesquisa, buscando fibras e tecidos sustentáveis, revendo atitudes com responsabilidade social, ambiental, econômica e cultural.

Acreditamos que a sustentabilidade não é uma tendência e, sim, uma urgência. Por isso, te convidamos a fazer parte desse movimento permanente, dando um passo de cada vez em direção ao futuro que desejamos.

Uma de nossas bases para a estamparia é a Viscose de Madeira de reflorestamento (florestas sustentáveis), tendo em sua composição 96% CV (viscose) e 4% CL (linho)

Trabalhamos com fornecedores que têm preocupação com recursos naturais e preservação ambiental, visto que utilizamos a estamparia digital, onde conseguimos uma maior definição e fidelidade das cores e arte, conseguindo assim, entregar ao clientes um produto mais sustentável e consciente.

Os Tecidos Sustentáveis Doncella Estampas são produzidos com mínima utilização de água e emissão de CO2.

Gostou de saber um pouquinho mais sobre como é feito a estamparia dos nossos tecidos? Você também quer fazer sua parte para um futuro mais consciente na moda? Então, comece incluindo nossos tecidos sustentáveis.

Para saber mais sobre eles e conferir nossas novidades, nos sigam no Instagram e acessem nosso site!

Sobre o autor

Designer de Moda, Especialista em Moda e Comunicação e bordadeira nas horas vagas. Entusiasmada por temas que abrangem desde moda, alimentação, beleza até questões sociais como feminismo, veganismo e mais.

(1) Comentário

  1. Lariana Cardoso diz:

    Amei o post! Super explicativo e as estampas são maravilhosas.
    Muito bom, Vitoria!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *